A formação na escola

Ana Canedo

Publicado el: 2017-08-02


       Facebook               Texto en Word 


    


Nos últimos tempos da AMP circulava um slogan que afirmava que o discurso histérico era o melhor para o funcionamento de uma Escola e no trabalho para a formação de analistas, enquanto estimulava a produção do amo e questionava o saber estabelecido.



A formação na escola

Ana Canedo



Nos últimos tempos da AMP circulava um slogan que afirmava que o discurso histérico era o melhor para o funcionamento de uma Escola e no trabalho para a formação de analistas, enquanto estimulava a produção do amo e questionava o saber estabelecido. O sujeito histérico que se divide para sustentar o significante amo era disfarçado como a divisão interna do sujeito, que é de estrutura.
As armadilhas do discurso histérico facilitaram os excessos do discurso do amo, a circulação dos conceitos repetidos até a saciedade e a hierarquização dos semblantes de saber permitieram chegar ao final a suposta tese de Escola elaborada por Lacan degradando a aposta sem dize-lo.
Segundo meu entender, o discurso histérico pode efetivamente animar ao amo mais disso não se deduz que o produto seja simplesmente um saber renovado.
Me interessa situar, segundo a clínica dos discursos, os efeitos do discurso histérico na Instituição analítica, seguindo alguns pontos de reflexão desde o ensino de Lacan.
Já em suas primeiras elaborações Lacan trata com o discurso quando coloca o inconsciente como um efeito de discurso retomando o enunciado de Freud: Ali onde Isso era eu devo advir, no sentido do inconsciente como um lugar, o lugar do reprimido e do sintoma é o mesmo.
A repressão atua no registro significante enquanto interfere sobre um saber da verdade, aquela que afeta intimamente ao sujeito, enquanto entranha para ele ?a história de uma tirania?, podemos dizer a tirania do significante amo.
Na neurose é a historia que reprimida continua operando na linguagem cifrada, clandestina para a consciência. Enquanto a censura, formação de compromisso do sintoma, é um contrato que se exerce sobre um discurso que se imprime e se expressa.
?O sujeito que reprime uma verdade não governa mais, não está no centro de seu discurso as coisas funcionam sóis e o discurso se articula mas por fora do sujeito. Este outro lugar por fora é o que chamamos inconsciente ?.
Sua tese do inconsciente está estruturada como uma linguagem emerge na clínica do discurso.
A Psicanálise opera a partir de elementos significantes e todo seu ensino se orientou a encontrar conceitos que puderam dar conta dos acontecimentos do real da clínica em uma proposta pragmática de manobrar nela.
Enquanto a repressão é um fenómeno de estrutura, opera nos analisandos e nos analistas, se estes não estão advertidos, em sua prática e na instituição analítica. A repressão é repressão de um saber e se inscreve nas distintas sequências da história da psicanálise.
Nos anos 50 Lacan já questionava os desvios pelos quais os post-freudianos tinham degradado a psicanálise ao nível ? da direção da consciência ? com a ego-psycology , fazendo alusão com fina ironia ao casal com o confessor na religião cristã.
No interior da IPA a dispersão em correntes analíticas divergentes entre se tinha reprimido o saber sobre a verdade do inconsciente que Freud tinham construído .
Os desvios em ato se sustentavam em uma instituição de estrutura ideal, pura e aparentemente ligeira . Uma instituição baseada em acordos mínimos sobre o que constituía a formação, a garantia, os didatas .
Este acordo teve consequências : a vida associativa se constituiu segundo uma rigorosa disciplina digna de um colégio episcopal, a elaboração da teoria se desagregou e fortaleceu aos amos afetando aos candidatos segundo se situavam numa povoação ou outra.
As consequências para a causa psicanalítica são conhecidas e atravessaram a vida de Lacan, porque ele consentiu nisso, para obter um produto: a qualidade de um ensino sustentado numa experiência. Ocupando-se de sua posição de analisante atravessado pelo discurso do analista, se protegeu das sereias cativantes do discurso da histeria, os encaixilhamentos da burocracia do discurso do amo e o encerramento das castas do discurso universitário.
O desejo do analista ligado ao seu ensino se sustentou da pergunta até o final.
Como manter aberta na prática analítica a iância que permite aceder ao real que escapa ao significante ?
Lacan encontra uma resposta quando situa a formação dos analistas como exigência primária quando diz que um analista é produto de uma análise e é a partir dali que se entende o enunciado ?o analista só se autoriza dele mesmo? mas acrescenta, não só. Esta concepção da formação se acompanha de um requisito, um chamado aos analistas ao implicar-se nas questões que importa a análise, concernentes à formação na instituição a que pertencem, incluindo as questões institucionais e as gestões que possibilitem o analítico.
A relação de implicância com a política da psicanálise na instituição, modifica a posição subjetiva do analisante em sua própria análise e intervém na concepção da clínica dos analistas, na direção da cura. Assim o modo de vinculação dos sujeitos com a instituição analítica tem efeitos clínicos e afeta a teoria a qual se sustenta a clínica da análise.
Dalí a importância a instituição a que pertencem. A CLÍNICA DOS DISCURSOS.
Nos anos 70, so seminário O Avesso e em outros textos da época, Lacan realiza um novo giro para tratar o acesso do significante para bordear o real.
O gozo que dá conta da Coisa, limite interior do registro simbólico, é apreendido pelo conceito como objeto ?a?, mais de gozar, nos quatro discurso que nomearei aqui: discurso do amo, discurso histérico, discurso universitário e o discurso do analista.
Como dizia no começo , me interessa desenvolver aqui o discurso histérico e sua incidência na instituição.
O discurso histérico é uma formulação de um modo de identificação assinalado por Freud na Psicologia das Massas e Análise do Eu. Lacan se ocupou de elucidar a identificação histérica desde o começo de seu ensino em seu estudo do estádio do espelho e o retoma até o final, no nó borromeo.
Como sabemos a identificação deriva da clínica da histeria porém não é exclusiva dela.
É a partir da escuta das histéricas que a outra cena do inconsciente se manifesta para Freud. Embaixadoras do saber inconsciente promoveram sem sabê-lo a causa do querer saber.
Desafio que interpelou a Freud quem logrou elaborar um dispositivo, o da psicanálise, que pusera ao trabalho a elaboração desse saber desde uma posição responsável. As elaborações teóricas permitiram arrancar do obscurantismo o desafio que representava o sintoma histérico para o discurso científico, nesse caso a medicina.
Quando Lacan elabora os quatro discursos, resgata a identificação histérica do campo da patologia para incluí-la como um modo de vínculo social.
A identificação da participação que permite a fluidez na relação entre os indivíduos. A utilização da imagem, tão presente na cultura atual, produz um efeito de coincidência que de um modo automático atua produzindo o fenômeno imaginário da união entre as pessoas. Esta facilitação esta sustentada do amor narcisista ao ideal em cada um. A identificação se apoia na cadeia significante da demanda ao outro em sua relação ao ideal, em correlação com o desejo sustentado no fantasma. O amor ao pai ideal se transfere ao líder. A identificação pelo objeto comum de amor idealizado operam nos grupos sociais, especialmente nos fenômenos das massas mas também nas instituições organizadas como a igreja e o exército.
Pondo em primeiro plano o amor pelo saber, no discurso histérico o sujeito manifesta sobre a barra sua divisão $ e promove a empatia dirigindo-se a obter um saber que preencha sua divisão, o S1 que possa nomear definitivamente o gozo mais além do falo, o gozo do objeto inominável.
Por abaixo da barra, no lugar que dá conta da verdade do discurso, se coloca como desconhecimento o mais de gozar, a marca renovada do menos da satisfação, assinalada desde o começo por Freud.
O sujeito emerge em sua insatisfação porque nesta posição o gozo não se encontra reabsorvido em algo do saber.
A prevalência imaginária do amor coloca o sujeito em sua posição de objeto que se subtrai ante a iminência de um suposto forçamento. Neste cálculo enganoso de domínio o sujeito se esquiva para tentar produzir um vazio no Outro pondo em primeiro plano a verdade da castração fazendo emergir a falta no saber, que é de estrutura. Dali que em ocasiões se tinha colocado a ênfase na função renovadora da histeria para fazer cambalear os ideais pré-estabelecidos e promover o discurso científico.
Ao nível do sujeito o saber produzido S2, se acrescenta a metonímia dos significantes sem envolver o sujeito nos significantes amo que o determinam, e pode dar consistência imaginária ao discurso do amo e sua derivação como discurso universitário.
Vejamos, no discurso histérico o sujeito dá a palavra ao outro, em seu ativismo se declara em greve para entregar seu saber e ilude o consentimento ao se fazer sujeito de sua palavra.
Lacan elaborou o matema do discurso do analista, enquanto a psicanálise dá lugar a um discurso novo que se diferencia do discurso histérico, introduzindo nele sua regulação a partir de por em primeiro lugar o objeto ?a? rejeitado. Situando como objeto a causa do desejo opera com o ser do sujeito, que não se situa do lado do sentido senão da falta de sentido: a causa se encontra na iância entre os significantes: o lapso, o ato falho, o sintoma que se escapa à significação. A produção do saber é circunscrita, enquanto se obtém os significantes amo, sustentando a supremacia da enunciação, perda de gozo correlativa a separação da cadeia significante.
O discurso do analista opera fazendo produtivo o saber, que aqui tem outro registro enquanto surgido da estrutura do não ? todo e se dirige ao sujeito que consente apelando à responsabilidade dos excessos de seus ditos, suas ações e suas demissões, fixações de gozo que comandam e o parasitam, na direção de ali onde isso era o sujeito deve advir.
Se bem o discurso do analista se sustenta do dispositivo analítico a estrutura quaternária do discurso se aplica ao tratamento do mal-estar nos grupos enquanto este discurso é o que permite a passagem de um discurso ao outro e bordeia os outros discursos revelando a fixação da verdade que os sustenta enquanto excluem a causa do desejo, ou seja ao sujeito.
Na instituição deixa aberta uma brecha para pensar em que consiste a formação do analista, se como falava anteriormente é solidária da clínica e afeta a existência mesma da psicanálise no porvir.
Os trilhos discursivos que provê a linguagem se entrecruzam também no discursos histérico e seus excessos e incidem na formação do analista na escola :
A transferência de trabalho que envolve a causa íntima do sujeito pode se confundir como moção ao trabalho
Os excessos do discurso do amo não se tratam a partir da depreciação sistemática dos lugares de gestão senão de cuidar que a gestão não advenha em burocracia ao serviço dos fins contrários à ética da psicanálise.
O rigor e o controle que requer a formação a oferecer pode se perder por trás dos véus do ideal da perfeição.
O chamado aos mais qualificados para pensar as questões da escola desvincula a elaboração no lugar onde se coze o saber, o trabalho na base em que se sustenta.
A histérica pode aparecer como revolucionária em sua proposta de mudança mas na realidade reforça aquilo que aparentemente quer superar. Podemos assim comprovar a falsa dialética entre o discurso histérico e o discurso do amo e seus derivados, enquanto se mantém no registro imaginário pululam os floreios metonímicos e as erudições de todo saber.
Lacan pois no centro da contra-experiência de sua escola ao desejo do analista que não se pode ensinar e ao mesmo tempo incide na formação dos analistas. No conceito da escola estão incluídos os suportes significantes que permitem o tratamento do gozo que se desprende dos discursos enquanto efeito do significante.
Um modelo de escola que toma como base a proposição de 64 e a Ata de Fundação de 67 cujo espírito recolhe até o final nos textos da dissolução no 80.
Que coloca em primeiro plano a responsabilidade e o compromisso de cada um com a causa da psicanálise enquanto envolve a causa íntima do sujeito e acolhe a analistas, não analistas, analisandos , não analisandos que desejam sentir-se concernidos nisso.
Ao desenvolver sua tese estabeleceu os sulcos significantes de uma estrutura circular onde afiançar a série como uma modalidade para o trabalho conjunto dos analistas.
Estes sulcos persistem e como podemos comprovar em nosso passado próximo, podem ser transformados e perder assim o alcance epistémico e ético de seus fundamentos elaborados a partir de uma clínica da instituição elaborada passo a passo por Lacan.
O que chamamos a crise de 98 foi proveitosa enquanto permitiu voltar a trabalhar os conceitos para propiciar o encontro renovado e fazer emergir esses sulcos, para quem assim o deseje com toda a força de uma interpelação.


Traduzido por Arturo Blanco




Opiniones sobre este texto:




Condiciones de uso de los contenidos según licencia Creative Commons

Director: Arturo Blanco desde Marzo de 2000.
Antroposmoderno.com © Copyright 2000-2017. Política de uso de Antroposmoderno